Translate

quarta-feira, 27 de junho de 2007

O SENHOR CORRIGE A QUEM AMA

Vivemos dias em que o aumento da violência no meio da juventude tem alarmado até mesmo os educadores e sociólogos liberais; promotores da infância e da juventude; conselheiros tutelares, além de pais e amigos.

Os mesmo que outrora defendiam (muitos ainda defendem) a liberalidade absoluta e o relativismo do comportamento (anti)social desta nova geração, vêm-se na inquietação de conclamarem a opinião pública para uma revisão nos valores adotados por esta sociedade chamada “pós-moderna”, em detrimento àqueles (valores cristãos) há muito abandonados.

Durante anos, “pregou-se” que os cristãos eram pessoas alienadas, retrógradas, ignorantes, espancadores de filhos. Chegou-se ao cúmulo de alguns vizinhos, professores e até mesmo parentes próximos, denunciarem pais cristãos pela correção de seus filhos.

Tais ameaças (algumas levadas a cabo) surtiram um efeito maléfico em muitos lares, provocando resultados contrários aos pretendidos. O que se viu foi um crescente número de jovens, desviados do evangelho, envolvidos com a criminalidade, as drogas, a prostituição, a violência e com toda sorte de imoralidade e devassidão, muitos dos quais foram pranteados em seus túmulos por seus pais, parentes e amigos (cristãos ou não). Outros levaram famílias aos prantos!

Por outro lado, aqueles pais que conservaram firmes seus ensinamentos tanto na educação, quanto na correção, obtiveram resultados surpreendentes, com testemunhos maravilhosos de seus próprios filhos, que já em sua maturidade, reconheceram o valor da disciplina. Muitos são hoje renomados pastores, juizes, advogados, educadores, engenheiros, médicos, empresários ou simples donos e donas de casa, jardineiros, mecânicos, pedreiros, costureiras, bons pais, bons cônjuges, bons vizinhos...

Ora, amados, como bem sabemos a Bíblia é para o cristão um manual, com regras de fé e prática, e contém verdades (nela não há engano) das quais não se pode abrir mão.

É preciso, acima de tudo, reconhecer que, sendo ela (a Bíblia) a Palavra de Deus e sendo este um Pai Amoroso, a aplicação de sua Palavra para a correção e disciplina deve ser feita no limiar do Amor, a fim de não sermos tomados pela ira.

O escritor aos Hebreus, no capítulo 12 a partir do versículo 5, nos traz brilhante ensinamento acerca desse tema, quando diz: “Filho meu, não desprezes a correção do Senhor, e não desmaies quando por ele fores repreendido, porque o Senhor corrige a quem ama, e castiga a todo o que recebe por filho. É para disciplina que suportais a correção; Deus nos trata como a filhos. Pois que filho há a quem o pai não corrige?... Além disso, tivemos nossos pais segundo a carne, os quais nos corrigiam, e os respeitávamos. Não nos sujeitaremos muito mais ao Pai dos espíritos, e viveremos?... Na verdade, nenhuma correção parece no momento ser motivo de alegria, mas de tristeza. Contudo, depois produz um fruto pacífico de justiça nos que por ela têm sido exercitados.” Hb.12:5-7;9;11.

Também o Apóstolo Paulo, fazendo uso do quinto mandamento, aconselha assim aos cristãos de Éfeso: “Vós filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, pois isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe - que é o primeiro mandamento com promessa -, para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. E vós, pais, não provoqueis à ira a vossos filhos, mas criai-os na disciplina e instrução do Senhor.”. Ef. 6:1-4.

Obviamente não quero com isso dizer que o cristão deva ignorar o ensinamento secular, tampouco descumprir as leis do país que versam sobre a proteção da criança e do adolescente, as quais se fazem necessárias justamente para aqueles que outrora abandonaram a verdadeira disciplina e, aproveitando-se da hipo-suficiência do menor, lançam mão da violência.

Não obstante, não podemos nos deixar tornar reféns de tais normas, para que não apliquemos com amor e ternura a boa disciplina, conforme nos ensina as Sagradas Escrituras.

“O que retém a vara odeia a seu filho, mas o que o ama a seu tempo o disciplina.” (Pv.13:24).

“Corrige a teu filho enquanto há esperança...”. (Pv.19:18a).

“Não retires a disciplina da criança; porque se a fustigares com a vara, nem por isso morrerá.” (Pv.23:13).

Que Deus nos ajude na educação de nossos filhos e na propagação do Evangelho da Paz, a fim de que não tenhamos mais que nos deparar com cenas como as que temos visto nos noticiários nos últimos dias.

Que o Senhor a todos abençoe.


Veja no link abaixo a opinião da Câmara dos Deputados e de alguns educadores sobre o tema.
Crédito da foto dos jovens detidos: Copyright© 1996 - 2007 Terra Networks, S.A. Todos os direitos reservados

1 comentários:

nanda disse...

Olá Robson A Paz do Senhor Gostei muito do seu blog,que o Senhor continue te abençoando e te inspirando.Fernanda Lacerda

Related Posts with Thumbnails