Rádio Rhema Online

domingo, 1 de agosto de 2010

RELIGIÃO, POLÍTICA E FUTEBOL NÃO SE DISCUTE... SERÁ?

Em época de Eleições Nacionais e, considerando ser esta uma excelente oportunidade para lançarmos luz sobre temas recorrentes e determinantes para o futuro da nação brasileira, julgo importante que nós evangélicos deixemos de lado “nossas diferenças” (pensar que isso possa existir entre cristãos) e nos disponhamos a pensar e a discutir as propostas, projetos e planos de governo apresentados pelos candidatos inscritos nas esferas do Poder Executivo e Legislativo Nacional.

Para tanto, é fundamental que nossas lideranças eclesiásticas, assim como toda “nação evangélica”, saiam deste estado de leniência em grande parte devido às “promessas de prosperidade” e “misticismo ‘pentecostal’” (leia-se: cai-cai, voa-voa, pula-pula, roda-roda, grita-grita...), e se abram à discussão e reflexão franca e objetiva sobre temas que atingem e afligem diretamente nossas famílias e nossas igrejas, as quais têm sofrido incontestável revés nas caladas da noite.

Em que pese à necessidade de atualização e contextualização de nossas legislações frente às mudanças socioculturais vivenciadas em escala global, é fundamental que não nos deixemos seduzir ou enganar com promessas, retóricas ou sofismas que nada mais são que sutilezas de Satanás para engodar os filhos de DEUS. A Igreja de Cristo não pode ficar inerte enquanto o inimigo invade nossas searas, manieta nossas famílias e destrói nossos campos.

Infelizmente ainda hoje muitos crentes justificando-se, equivocadamente, em Romanos 13:1-7 ou Tito 3:1-2, entendem que não cabe ao cristão o envolver-se em assuntos de política ou como se costuma dizer: “que digam respeito à lei dos homens”; enquanto outros, não menos obtusos, radicalizam, baseados em Atos 4:19, ao dizer que não devemos nos sujeitar às autoridades. Duplo engano!

É vital que se esclareça que os textos que fazem referência às autoridades superiores e à sujeição e obediência àquelas, não conservam nenhum caráter limitador ou restritivo da participação da Igreja nas esferas de poder (governo) secular.

Tal entendimento pode ser verificado ao longo de toda Bíblia, a qual faz inúmeras referências da participação de servos de DEUS nos governos e na condução de grandes impérios ao longo da história da humanidade. São exemplos claros disto: José no Egito; Davi; Salomão; Beltessazar (Daniel) em Babilônia; Esdras, Neemias e Hadassa (Ester) na Pérsia, dentre outros, os quais foram e sempre serão considerados cidadãos do céu.

Daí porque entendemos ser crucial a participação ativa e consciente dos cidadãos cristãos nas discussões de temáticas relevantes à vida e ao bem estar social - bem como na condução e aplicação de medidas mais eficazes para obtenção desse bem estar -, sem que se perca o foco nos rudimentos, valores e preceitos bíblicos imutáveis, sobre os quais o mundo pós-moderno tem tripudiado.

É preciso lutarmos (não com espada, nem com derramamento de sangue) contra a depravação e a imoralidade que se instalaram nas mídias, nas escolas, nas rodas de amigos, nas famílias e em alguns casos até nas próprias igrejas (alguém aí se recorda da última exclusão por adultério?Ops!); contra as intervenções estatais e o cerceamento de liberdade religiosa e de culto - contrariando os direitos e garantias fundamentais da nossa Constituição Federal; contra a corrupção do gênero humano nas mais diversas áreas da vida etc.

Por tanto, antes mesmo de decidirmos a favor de quem declarar o nosso VOTO, precisamos estar convictos de qual o nosso papel enquanto cristãos nesse processo de transformação da sociedade. Saber o tipo de sociedade que queremos construir para o nosso futuro e para o futuro de nossos filhos e netos será determinante no momento de assinalar esse ou aquele candidato como nosso representante político.

Ora, se “sabemos que somos de DEUS, e que o mundo inteiro jaz no maligno” não podemos nos conformar em entrega-lhe nossas famílias, nossos amigos e entes queridos de mãos beijadas; antes devemos lutar com todas as forças, de todas as formas e em todas as esferas de poder (secular e espiritual) para que essas vidas lhe sejam arrancadas das garras.

Pense nisso!

Procure saber quem são os NOVOS CANDIDATOS inscritos ao pleito de 2010, suas ideologias, seu credo religioso, seu posicionamento diante de temas polêmicos.

Para os que buscam a reeleição, procure se informar sobre os projetos já apresentados, apoiados e aprovados pelo candidato; você descobrirá coisas do “arco da velha”. E não se deixe iludir, o partido do qual faz parte o candidato e sua representatividade nas casas legislativas pode fazer toda diferença, afinal não bastam grandes idéias ou boas intenções se não houver apoio parlamentar para aprovação.

Se o seu candidato for evangélico, procure saber da idoneidade dele enquanto servo de DEUS, quais seus reais interesses ao pleitear um cargo eletivo, se tem bom testemunho dos irmãos e da família, e se está convicto de que tem chamada de DEUS para a vida pública. Prefira sempre um representante evangélico; entregue-o nas mãos de DEUS e cobre dele (candidato) uma posição firme e condizente com o Evangelho, antes durante e depois das eleições. Há muitos maquiavélicos entre nós que entendem que os fins justificam os meios... Ledo engano!

Como sugestão apresentamos alguns temas mormente discutidos nas casas legislativas, os quais poderão ser acrescidos a partir dos comentários.

• Nova Lei do Divórcio (PEC66/10) – Já aprovada e promulgada. Aguardando publicação do DOU.


• Criminalização do pensamento crítico contra o homossexualismo - Lei da Mordaça Gay (PLC122/06) – Já aprovada na Câmara dos Deputados. Tramitando na CDH – Comissão de Direitos Humanos – Aguardando Audiência Pública para discussão.

• Criminalização das Palmadas – Projeto de Lei do Governo Federal encaminhado ao Congresso Nacional com a rubrica do Presidente Lula que visa impedir qualquer tipo de repreensão ou aplicação de corretivos físicos contra a criança e o adolescente.

• Legalização do uso da Maconha – Tema recorrentemente levantado pelas frentes parlamentares favoráveis ao consumo, como o Ministro do Meio Ambiente Carlos Minc (onheiro)

• Legalização do Casamento Civil Homossexual

• Legalização da Adoção por casais Gays

• Legalização e Regulamentação da Prostituição como profissão

• E outros

Bem, para quem ficou um tempão sem dar as caras na blogosfera, acho que já escrevi demais.

Que o ETERNO nos abençoe e nos ajude nesta “batalha”.

Em Cristo,

Prossigo para o Alvo... Fp. 3:14

2 comentários:

Pr. Carlos Roberto disse...

Caro irmão e amigo,
Pb. Robson Silva,

A paz do Senhor!

Pertinente e necessário seu post.
Voltaste com a corda toda. Entendo que Paratí fez bem "para ti" !rsrrs

Um grande abraço!

Pr. Carlos Roberto

ROBSON SILVA disse...

Paz, Pr. Carlos Roberto,

Realmente eu estava precisando de uns dias de descanso, e Parati caiu como uma luva...

Quanto ao post, seria muito bom que houvesse um despertamento do povo de DEUS a fim de que venhamos fazer verdadeiramente a diferença neste mundo, enquanto aqui estivermos...

Sei que não somos daqui, e que a pátria celestial nos reserva infinitamente muito mais que os vãos momentos desta vida, mas enquanto aqui estiver, quero fazer a diferença... Para isso não posso me conformar com o curso que este mundo está tomando...

Enquanto eles rumam corredeira abaixo, eu quero estar na contramão... mesmo em meu pequeno barquinho...

Que o Senhor o abençoe!

Abraços,

Robson Silva
O servo

Related Posts with Thumbnails